Início » Corregedoria » Composto na maioria por mulheres, GABITI acelera trabalho na Vara “Maria da Penha”

Composto na maioria por mulheres, GABITI acelera trabalho na Vara “Maria da Penha”

 
 

Todo mês, mais 300 novos processos dão entrada na maior vara criminal do Piauí. De ameaças a cárcere privado, passando por todos os tipos de agressões, a 5ª Vara Criminal de Teresina lida todos os dias com centenas de casos que colocam a vida da mulher piauiense em risco.

Com um acervo de mais de 10 mil processos, a unidade recebeu semana passada o trabalho do Gabinete Itinerante da Corregedoria Geral da Justiça, que minutou cerca de 1100 processos, ajudando a desafogar o grande acervo da Vara. “Sem dúvida é um trabalho que tem nos ajudado bastante. Além do grande acervo, as solicitações de medidas protetivas devem ser decididas em até 48 horas. É uma demanda que só cresce e nós trabalhamos sempre para dar uma resposta rápida porque sabemos que estamos lidando com vidas que correm riscos”, explica Dr. José Olindo Gil Barbosa, juiz titular da unidade.

O magistrado destaca que o maior número dos casos é de ameaças, lesões corporais de natureza leve, injúria, estupro em ambiente doméstico e até de cárcere privado. “A mulher cada vez mais sabe que pode e deve contar com a Justiça, por isso denuncia muito mais. Aqui não deixamos nenhum processo concluso esperando. Resolvemos imediatamente. Porém, o acervo é enorme e esse trabalho do Gabiti é essencial”, garante Dr. José Olindo.

Para esse trabalho, o Gabinete Itinerante foi composto principalmente por mulheres. As servidoras Mayra Borges, Giovana Lustoza, Gisele Ferreira, Ravena Ribeiro, além do coordenador Lorran Bastos foram os responsáveis pela análise e encaminhamento dos processos. “Sempre fazemos uma análise criteriosa para ajudar a desafogar os processos, mas na 5ª Vara tivemos uma atenção ainda maior, uma vez que são casos relacionados à violência de gênero acerca de medidas protetivas, manutenção e revogação, bem como ações penais, andamentos de investigações, perícia, estudos sociais e andamento em recursos. Temos consciência que por trás de cada processo, têm mulheres e famílias inteiras que precisam ser protegidas”, disse Mayra Borges.

A juíza auxiliar da unidade ressalta que é grande o número de mulheres que procura diariamente o andamento dos seus processos e o resultado do trabalho é sentido imediatamente. “Todos os dias várias mulheres chegam aqui, sempre com o sentimento de medo e ansiedade. Quando ela vê que estamos trabalhando, ou quando ela já sai com sua medida protetiva, o semblante muda imediatamente. Tanto ela sabe que não está sozinha, como o agressor já entende que o processo está vivo e ele está sendo monitorado”, destaca Dra. Ana Lúcia Terto, Juíza auxiliar da 5ª Vara.

Para ela, o Gabinete Itinerante é um reforço digno de todos os agradecimentos. “O Gabinete Itinerante é fantástico. Você percebe o cuidado que eles têm em cada processo. Como se trata de uma Vara que precisa ser muito célere, temos várias medidas protetivas que precisam ser renovadas, por exemplo, e se a vítima não pede, não podemos renovar. Nesses casos, o Gabiti tem tido o cuidado inclusive de perguntar se a vítima tem interesse na manutenção. Então, só temos a agradecer e continuar esse trabalho”, explica a juíza.

Compartilhe:
Print Friendly, PDF & Email