Início » Corregedoria » Corregedor Geral de Justiça do Maranhão conhece toda estrutura de Digitalização do Piauí

Corregedor Geral de Justiça do Maranhão conhece toda estrutura de Digitalização do Piauí

 
 

Em visita à Corregedoria Geral de Justiça do Piauí essa semana, o Corregedor Geral da Justiça do Maranhão, desembargador Marcelo Carvalho fez questão de conhecer o trabalho do Exército Brasileiro no Projeto de Digitalização da CGJ. Além de visitar o Núcleo Central de Digitalização e a Distribuição de 1º Grau, o desembargador conheceu a 1ª Vara de Infância da Juventude, unidade que foi 100% digitalizada pelos próprios servidores.

“O Corregedor fez questão de conhecer todos os detalhes do processo de digitalização e ficou impressionado, especialmente com o empenho dos nossos servidores e dos nosso parceiros como o Exército. No Maranhão, eles vão usar o mesmo formato que foi usado no Piauí, por isso estamos apresentando tudo, inclusive nosso fluxograma para que eles adequem para a realidade deles”, disse Mônica Lopes, secretária Geral da Corregedoria.

Recebido pelo desembargador Oton Lustosa, Corregedor Geral da Justiça em exercício e pelos juízes auxiliares Dr. Manoel Dourado, Dr. Luiz Moura e Dr. Mário Cavalcante, o Corregedor do Maranhão ainda ouviu da Secretária Geral da CGJ-PI, Mônica Lopes, todos os detalhes do projeto, que tem como objetivo tornar o Poder Judiciário piauiense 100% digital na área cível. “Sem dúvida o resultado é impressionante. Viemos conhecer pessoalmente porque se trata de um processo criativo e de ótimos resultados. O Piauí está de parabéns”, disse o Corregedor Maranhense.

Na sua apresentação, a secretária ressaltou o caráter participativo e de baixo custo da iniciativa piauiense. “O grande diferencial do nosso projeto é que podemos alcançar um grande resultado, usando apenas nosso pessoal. Outros estados contrataram empresas a alto custo e nós mostramos que está sendo possível fazer um ótimo trabalho, com o material humano que temos. Nossa meta é até o final dessa gestão gerar os processos físicos na área cível”, explicou Mônica Lopes.

Compartilhe:
Print Friendly, PDF & Email