Início » Destaques » Leis Sistêmicas a Serviço da (Re)Conciliação: Cejusc e Nupemec promovem mais uma prática de Constelação Familiar
 

Leis Sistêmicas a Serviço da (Re)Conciliação: Cejusc e Nupemec promovem mais uma prática de Constelação Familiar

O Tribunal de Justiça do Estado do Piauí (TJ-PI), por meio do Núcleo Permanente de Métodos Consensuais de Solução de Conflitos (Nupemec) e do Centro Judiciário de Solução de Conflitos (Cejusc), realizou, nesta segunda (27), mais uma prática de Constelação Familiar no Judiciário com o objetivo de solucionar conflitos das partes envolvidas em litígios. A atividade faz parte do projeto Leis Sistêmicas a Serviço da (Re)Conciliação e foi ministrada pela facilitadora e palestrante Adriana Queiroz. O evento é realizado mensalmente pelo Tribunal de Justiça e ocorre na sala do Pleno do Tribunal. O tema do mês de maio foi o divórcio.

O evento foi aberto com a manifestação dos magistrados Virgílio Madeira e Lucicleide Belo, coordenadores do Cejusc de 1º Grau e do Nupemec, respectivamente. Ambos enfatizaram a importância das constelações familiares na busca da paz e da conciliação jurídica. Dirigindo-se especialmente a alunos de Direito que compunham a plateia da constelação, o juiz Virgílio enfatizou que apesar de a atividade de constelação ainda não fazer parte do currículo pleno dos cursos de direito, os alunos estavam testemunhando uma das técnicas mais avançadas de conciliação jurídica disponíveis. “É importante que busquemos formas alternativas, formas novas de se atingir as conciliações”, afirmou o magistrado.

Já a juíza Lucicleide enfatizou a popularização das constelações no judiciário brasileiro atual. “Atualmente, cerca de 17 estados da federação empregam as constelações como prática regular de conciliação — sempre com resultados extraordinários”.

Para a facilitadora Adriana Queiroz, a constelação também representa uma possibilidade de autoconhecimento. “Quando a pessoa se constela, ela se transforma. Vemos muitas pessoas que participam das constelações e, quando voltam para a próxima constelação, dizem que o ambiente familiar está transformado. Mas não foi o ambiente que mudou — foram as pessoas que mudaram”, afirma a facilitadora.

Constelação

Considerada uma terapia familiar, a Constelação Familiar foi desenvolvida pelo pedagogo e psicoterapeuta alemão Bert Hellinger na década de 1970 e foi introduzida no Brasil em 1999.

No Tribunal de Justiça do Estado do Piauí, as práticas de constelação são realizadas uma vez ao mês, ao longo do ano, abordando temas relacionadas à guarda, herança, divórcio e alienação parental, violência doméstica, adoção, proporcionando aos jurisdicionados reconciliação com a própria história de vida e conciliação no processo judicial.

Confira fotos da constelação

Compartilhe:
Print Friendly, PDF & Email