Judiciário & Tecnologia: unidades judiciais realizam audiências por videoconferência durante período de teletrabalho

 
 

Durante o período de combate ao novo coronavírus, o Tribunal de Justiça do Estado do Piauí (TJ-PI) tem tomado todos os cuidados para a manutenção do isolamento social, medida preventiva ao contágio da Covid-19 entre colaboradores da Justiça e jurisdicionados. A tecnologia tem sido uma aliada para a continuidade da boa prestação jurisdicional durante a adoção do regime de teletrabalho e trabalho remoto pelo Judiciário piauiense. Nesta quinta-feira (26), a 1.a Vara Criminal de Parnaíba e a Vara Única de Gilbués realizaram, de forma exitosa, suas primeiras audiências por videoconferência.

Audiência por videoconferência em Parnaíba

Em Parnaíba, localizada no litoral, a audiência foi conduzida pelo juiz Georges Cobiniano e aconteceu por meio da ferramenta Google Hangouts. O equipamento foi instalado na sala de audiência da 1.ª Vara Criminal de Parnaíba e na Penitenciária Mista da mesma comarca. “Esta audiência foi realizada pensando em dois benefícios: a continuidade dos trabalhos e a redução dos custos e riscos”, disse o magistrado, que destacou a grande qualidade do áudio e do vídeo da chamada.

“Consideramos que a primeira videoconferência foi realizada com sucesso. Esperamos empregar esse modelo mesmo depois do fim da pandemia, em virtude de só apresentar vantagens”, declarou o juiz. Dentre esses benefícios, está a redução de custos para os cofres públicos já que, por exemplo, “os réus presos não precisariam mais ser conduzidos ao fórum”.

Além do juiz Georges Cobiniano, colaboraram com a realização desta primeira audiência por videoconferência em Parnaíba a juíza Ivani Vasconcelos, titular da unidade, o promotor de justiça Rômulo Cordão, a defensora pública Débora Cunha e a oficiala de gabinete Leilane Moura.

Gilbués

Audiência de videoconferência em Gilbués

Localizada no Extremo Sul do Piauí, a comarca de Gilbués realizou audiência de apresentação de uma menor, em parceria com a 2.ª Vara da Infância e Juventude da comarca de Teresina.

Mediante uma ligação pelo Skype, foi possível unir virtualmente o magistrado Cleber Roberto Soares de Souza, a Defensoria Pública; a menor e o representante do Ministério Público Estadual (em Teresina);  o pai da menor e integrantes do Conselho Tutelar (em Gilbués).

“A audiência foi um sucesso. Essa tecnologia pode ser usada também após esse período de teletrabalho. Penso que o judiciário caminha neste sentido”, declarou o juiz Cleber Roberto Soares de Souza.

Compartilhe:
Print Friendly, PDF & Email